Conheça o Mercado Adaptado: O primeiro Marketplace otimizado para todas as pessoas com deficiência

Chegou o Shopping Virtual feito por e para todas as pessoas com deficiência e sem os obstáculos de acessibilidade da maioria dos grandes e-commerces

Tomando a frente da inevitável e crescente transformação da sociedade digitalizada, nasce no Brasil o verdadeiro Marketplace da Pessoa com Deficiência. O Mercado Adaptado é uma plataforma que funciona como elo entre marcas e profissionais de tecnologia assistiva e o consumidor com alguma deficiência, unindo as duas pontas em um shopping virtual 100% acessível.

Com o mercado de tecnologia assistiva em plena expansão, o nosso ineditismo vai além de ser apenas um Marketplace com descrição de imagens para pessoas cegas ou com baixa visão. O Mercado Adaptado é um ambiente onde qualquer pessoa consegue navegar e encontrar os principais produtos e serviços destinados ao consumidor com qualquer tipo de deficiência.

Diferente de outras lojas virtuais, nossa plataforma conta com as mais modernas tecnologias de acessibilidade digital. Seja pelo desktop, tablet ou smartphone, o Mercado Adaptado garante a melhor experiência do usuário. Para pessoas surdas, que preferem se comunicar através da Libras, por exemplo, temos o intérprete virtual da Hand Talk. Já para as pessoas cegas, com baixa visão ou neurodiversas, nossa plataforma oferece o EqualWeb.

Além de sanar as barreiras de acesso dos e-commerces convencionais, onde menos de 1% oferece acessibilidade, nosso site disruptivo acaba com a visão assistencialista do mercado que não considera a pessoa com deficiência um consumidor ativo em potencial. Nossa plataforma é capaz de conectar o grande Público de Diversidade Assistiva, formado por mais de 86 milhões de brasileiros, ou 40% da população, de forma totalmente acessível. 

Estamos falando de um shopping virtual que cabe no bolso das mais de 14.000.000 de pessoas com deficiência (6.7% da população – que não é considerado consumidor), além de outras 15.120.000 de pessoas com limitações (7.2%); quase 30.000.000 de idosos (14.1%), e 31.000.000 de pessoas obesas (15%).

De Pessoa com deficiência para pessoa com deficiência

Feito por e para as pessoas com deficiência, o Mercado Adaptado é um projeto que vem sendo desenvolvido desde 2019 e, antes do lançamento, segue online desde dezembro de 2020. O primeiro Marketplace Acessível e Inclusivo foi idealizado pelo administrador Hamilton Oliveira, tetraplégico, autor e idealizador do Blog Casadaptada, um dos mais influentes portais de notícias para Pessoas com Deficiência.

“Conectamos milhões de compradores e vendedores, capacitando pessoas e criando oportunidades econômicas para todos. Com nossa ampla conexão com o mercado e grande rede de seguidores, queremos revolucionar com um shopping virtual democrático e tornar o Mercado Adaptado o principal elo e conexão entre marcas, pequenos empresários, profissionais de tecnologia assistiva e o consumidor com deficiência, que pode encontrar tudo em um só lugar, com a máxima, Nada sobre nós, sem nós!”, explica Hamilton.

A Plataforma permite ao lojista anunciar, comprar, alugar, vender seus produtos e serviços pela Internet de forma prática e segura, sem se preocupar com desenvolvimento e atualização de site e de grandes verbas de marketing.

O Mercado Adaptado é uma solução para marcas e lojistas de tecnologia assistiva que não possuem sites acessíveis ou não alcançam a demanda, e também para as pessoas com deficiência que vão encontrar e comparar produtos para o dia a dia em um só lugar.

Empresas como Equal Moda Inclusiva, Reapta, Ploy, Saga Brasil, Dellamed, Freeda, Alvedrio, Green Innovation, TO Assistiva e TAS Startup já fazem parte do projeto. E mais marcas e fornecedores de serviços são adicionados diariamente, pois não precisam se preocupar, por exemplo, com a manutenção de uma plataforma, entre questões.

SOBRE

O Mercado Adaptado já nasce vencedor, participando e sendo um dos ganhadores na etapa “JÁ É”, da aceleradora Artemisia (Aceleradora de Impacto Social), no final do ano passado. E, atualmente, participa da aceleração da empresa Sai do Papel, onde busca a validação final e investimentos para startar o site a nível nacional.

CEO do Mercado Adaptado, Hamilton Oliveira é administrador, tetraplégico há 10 anos, autor e criador do Blog Casadaptada, um dos mais influentes portais de notícias para Pessoas com Deficiência no país. O Casadaptada é vencedor da etapa Brasil do maior prêmio mundial de conteúdo digital inovador, prêmio WSA 2019.

LINKS:

Site: mercadoadaptado.com.br

Instagram: www.instagram.com/mercado.adaptado

Blog: mercadoadaptado.com.br/blog-do-mercado-adaptado

É lojista de Tecnologia Assistiva? Acesse:

Quero ser vendedor

Celelê comemora 31 Anos de Musicoterapia – Inclusão

A artista e musicoterapeuta Celise Melo, a Celelê, em homenagem às pessoas com deficiência e em comemoração dos seus 31 anos atuando na área de Música e Musicoterapia, criou uma nova personagem, a Clarina, e as Apostilas Educativas.

Clarina é uma jovem que tem metas e vai em busca dos seus objetivos, sofre bulling e tem problemas de visão. Seu grande sonho é ser bailarina e cantora! Celelê e sua Turma irão ajudá-la a superar as dificuldades. Seus amigos têm Síndrome de Down, Autismo e Deficiência Visual e juntos irão se unir pela inclusão de todos!

Desde 1990, em São Paulo, Celise é professora de música para crianças e pessoas com deficiência, ministra cursos, trabalha com hidroterapia, unindo a música e as artes. Até hoje realiza trabalhos voluntários para pessoas carentes e doentes do Brasil e da África.

Também compôs canções específicas e criou espetáculos para crianças, jovens, pessoas com deficiência e para a Terceira Idade.

Em 1993 criou a personagem Celelê, já se apresentou em vários palcos brasileiros, também em Portugal, Espanha, Itália, França e Israel com sucesso de público e crítica, mantendo sempre a sua originalidade e autenticidade.

Na quarta-feira, dia 14 de julho, às 20h, irá ao ar na TV Aberta SP o novo vídeo “O Sonho de Clarina”, indicado para todas as idades, com o tema especial sobre inclusão. As reprises serão na sexta-feira dia 16, às 10h30, na segunda-feira dia 19, às 15h30, e na quarta-feira dia 21 de julho, às 20 horas.

No dia 14 de julho haverá também o lançamento das Apostilas “Igual a Você”, que foram criadas para facilitar o aprendizado com atividades educativas. São 3 volumes diferentes para crianças, jovens e adultos, que estarão disponíveis sob encomenda pelo WhatsApp (11) 99962-2380 e no site www.celeleeamigos.com.br!

Visite também:

Instagram: @celeleeamigos  /  Facebook: celeleoficial 

Youtube: Celele Musicoterapia – Inclusão  e  celeleeamigos   

Segunda Edição do XLH Day (2021) está surpreendente e com alcance internacional

Estima-se que existam cerca de 8 mil tipos diferentes de Doenças Raras no mundo. No Brasil, aproximadamente de 13 milhões de pessoas possuem algum tipo, sendo que 80% delas são de origens genéticas e possuem como características serem crônicas e progressivas.

Uma delas é a XLH – Hipofosfatemia Ligada ao X (baixo fosfato no sangue-ossos) é uma condição genética ultra rara que não tem cura, além de ser crônica e progressiva. Ocasiona uma deficiência física, principalmente, caracterizada por mobilidade reduzida e marcha manca, deformidades nos ossos (maior parte inferiores), baixa estatura, fraturas, dores crônicas entre outros sintomas por ser sistêmica. A prevalência mundial estimada para XLH é cerca de 1-9:1.000.000 nascidos vivos dependendo da região do mundo.

Buscando propagar conhecimento com excelência, criatividade e diversão. A Comissão Organizadora do XLH Day é composta pela idealizadora e coordenadora do evento, a Bióloga, Mestre em Ciências, Vanessa Giovana @borboleta.xlh @xlhinspirations, que também é uma pessoa rara XLH juntamente com a Ladora – Liga Acadêmica de Doenças Raras @ladora.ufpa e o Instituto Vidas Raras @vidasraras, contando com apoio internacional da XLH Aliança Internacional @xlhalliance e XLH Chile @xlhchile.

O evento vai ocorrer dia 23 de junho (Dia Mundial de Conscientização do XLH) das 8h às 18h, de forma online, possibilitando a troca de conhecimento e vivência entre pessoas de todo o país, da América Latina e do mundo, expandindo a comunicação entre diferentes realidades vividas, ponto forte nesta edição. A inscrição é gratuita! Quer participar? Clique aqui e garanta seu lugar.

Receberão o Certificado de participação aqueles que efetuarem a inscrição. Salientamos a importância disso, visto que se ocorrer queda da transmissão um novo link será enviado automaticamente para vocês por email e ZAP. A Transmissão será exclusivamente no Youtube do Canal da Borboleta Rara XLH

Os participantes terão acesso à informação de qualidade com a colaboração de vários profissionais da área, desafios da vida rara XLH e interação entre pessoas raras de forma dinâmica com QUIZ com perguntas educativas e divertidas, inovações/esperanças. Nessa edição temos a venda de Canecas XLH DAY, adquira clicando aqui. E será disponibilizado Planners com a temática do evento que foram confeccionados, no final do evento teremos a realização de sorteios para os ouvintes. São quase 50 pessoas que direta ou indiretamente de alguma forma trabalham para essa grande realização. O intuito é propagar educação sobre essa raridade para Raros, XLHs, Pessoas com Deficiência, profissionais e estudantes da saúde.

Segundo Ms Vanessa Giovana, pioneira nesse tipo de evento no Brasil ressalta que é a terceira vez que a data será comemorada com um evento desse porte para brasileiros, latinos e outras partes do mundo raro.

Evento exclusivamente online idealizado e coordenado por uma cientista que é rara em esfera nacional e internacional sobre o XLH. Esperamos com isso levar conhecimento a todas as esferas da sociedade, tornando o acessível a todos, ajudando a chegar até às pessoas que tem baixa instrução e que dificilmente conseguiram comparecer em evento presencial devido aos custos.” Explica.

A maior barreira dos raros é o diagnóstico precoce que pode diminuir drasticamente as sequelas mais severas e proporcionar qualidade de vida. Quando a Vanessa elaborou essa nova programação com profissionais e colegas foi pensando em uma visão diferenciada “procurei trazer uma visão interdisciplinar das diversas questões que envolvem o universo raro, com palestras de diferentes áreas da saúde, profissionais raros e com deficiência”.

Quando falamos de Interdisciplinaridade nisso está inserido a Integralidade, ou seja, a pessoa rara incluída no contexto como sendo uma tomadora de decisão do seu tratamento, a fim de inovar e criar um novo paradigma, nesse ano temos a realização de uma palestra interdisciplinar e integral com três profissionais da saúde: uma Fisioterapeuta, uma Psicóloga e uma Bióloga que também é rara, mostrando os desafios da vida XLH com os aspectos psicológicos e fisioterapêuticos, a vivência de uma internação longa e como é possível com essa troca de saberes, parceria, união, colaboração, escuta qualificada e sabedoria do corpo gerar qualidade de vida nas pessoas raras.

A cada edição buscaremos inovar com a programação, esse ano o colorido é o QUIZ com as pessoas raras XLH, saindo daquele contexto um tanto quanto capacitista de contarem a versão do paciente como sempre sendo uma história de superação. Somos muito mais do que o nosso XLH e pessoas de enormes talentos e potenciais. Finaliza.

Confira os palestrantes do evento:

Saúde no prato: Guia educativo para alimentação saudável de pessoas com deficiência visual

#PraTodosVerem: Capa do livro: Saúde no prato: Guia educativo para alimentação saudável de pessoas com deficiência visual, fundo com vários legumes e alimentos e sobre um prato com o nome do livro, das organizadoras e demais envolvidos. Fim da descrição.

Ter uma alimentação saudável é fundamental para a saúde e para os cuidados com o corpo e a mente. Desta forma, ter bons hábitos, acompanhamento profissional e uma dieta pensada para cada característica é essencial.

E isso não é diferente quando falamos de pessoas com deficiência, pois em alguns casos, a alimentação tem impacto direto na relação entre a pessoa, a deficiência e o ambiente onde ela está inserida.

Pensando nisso, as nutricionistas Ursula Viana Bagni e Thais Lima Dias Borges organizaram o livro: Saúde no prato: Guia educativo para alimentação saudável de pessoas com deficiência visual. Ele apresenta, de forma sistematizada e ilustrada, uma série de atividades para promoção da alimentação saudável elaboradas especificamente para pessoas com deficiência visual, desenvolvidas em projeto de extensão da UFRN no Instituto de Educação e Reabilitação de Cegos do Rio Grande do Norte. Sendo 100% acessível para pessoas com deficiência visual.

 O objetivo do projeto foi promover hábitos alimentares saudáveis entre pessoas com deficiência visual e seus familiares e/ou cuidadores, visando não somente alcançar saúde e bem-estar, mas principalmente criar uma cultura de autocuidado que pudesse contribuir para a melhoria das condições de saúde e de qualidade de vida dessa população.

Nesse sentido, espera-se esta publicação possa qualificar as ações de alimentação e de nutrição e fortalecer a prática dos profissionais de saúde nos diferentes espaços de atuação, e que o material extrapole seus conteúdos, sensibilizando esses atores quanto à importância da inclusão para a justiça social e a redução das iniquidades em saúde das pessoas com deficiência. Clique aqui para baixar o livro.

Relembre a entrevista sobre nutrição inclusiva com a Thais Borges!

Xbox lança controle adaptável no Brasil para tornar os jogos mais inclusivos 

imagem do controle adaptável em formato retangular branco com teclas pretas

Quando todos jogam, todos ganham. Esse é o lema que guia a marca Xbox, que anunciou a expansão de seu portfólio com a chegada do controle adaptável para os fãs brasileiros. Esse lançamento faz parte do compromisso da Microsoft de promover Diversidade e Inclusão por meio da tecnologia e integra o plano Microsoft Mais Brasil, lançado pela empresa em outubro de 2020, abrangendo iniciativas para contribuir com o desenvolvimento econômico sustentável do país, programas de sustentabilidade, qualificação profissional, oportunidades de emprego, além de maior inclusão de pessoas com deficiência visual no contexto de apoio à retomada econômica do país. 

Em parceria com a Allied Distribuidora e varejistas como a Amazon, B2W (Americanas, Submarino, Shoptime) e Kabum, o controle adaptável está disponível a partir de hoje por R$ 999,00 (a preço de custo) para que ainda mais jogadores possam interagir com os amigos e acessar conteúdos de seus jogos favoritos.   

O produto é pioneiro, idealizado com a ajuda de jogadores com mobilidade reduzida, sugestões de fãs, orientação de especialistas em acessibilidade e parceiros da The AbleGamers Charity. A colaboração e trabalho em equipe desses grupos ajudou a trazer o controle adaptável para jogadores de todo o mundo. 

“No mundo dos jogos a inclusão começa permitindo que todos participem e isso significa tornar nossos produtos acessíveis a todos. Por isso, nós faremos a doação de controles adaptáveis para organizações sem fins lucrativos, entre elas a AACD e AbleGamers”, comenta Bruno Motta, Gerente Sênior de Xbox no Brasil. “O controle adaptável é compatível com os novos Xbox Series, Xbox One e PC”. 

O controle adaptável é um hub unificado para dispositivos, que tem os botões A, B e D-pad, Xbox, menu e view. O produto funciona como uma base que permite que os usuários conectem botões, joysticks, interruptores e montagens para criar um controle totalmente personalizado que atenda às necessidades. O produto tem conectores de 3,5 mm e portas USB, além de ser carregado por meio de cabo USB-C incluso ou adaptador de energia (vendido separadamente).  

“A Microsoft busca desenvolver soluções e produtos acessíveis com o objetivo de empoderar as pessoas com deficiência para participarem de forma realmente inclusiva da sociedade. A empresa conta com recursos de acessibilidade em todos os produtos e serviços, graças à adoção do Design Inclusivo, e esse novo controle adaptável vai ao encontro do nosso propósito de empoderar cada pessoa e cada organização do planeta a conquistar mais”, destaca Gabriela Magalhães, Account Executive e Líder do Pilar de Acessibilidade na Microsoft. 

O controle adaptável foi reconhecido pelo seu design inovador e inclusivo em jogos pelo V&A, principal museu de arte, design e performance do mundo, que o adquiriu como parte dos objetos contemporâneos que refletem os principais momentos da história recente que tocam o mundo do design e tecnologia. Além disso, a Time nomeou o Controle Adaptável como uma das melhores invenções de 2018. 

 

Dell está oferecendo cursos de qualificação acessível profissional

A Universidade Estadual do Ceará – UECE, através da Pró-reitoria de Extensão da UECE – PROEX, do Centro de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Dell – LEAD e do Instituto Desenvolvimento, Estratégia e Conhecimento – IDESCO, divulga a abertura, exclusivamente pela Internet, das inscrições para o programa gratuito e acessível de qualificação profissional.

A seleção é reservada, exclusivamente, para estudantes com ou sem deficiência de instituições de Ensino Superior matriculados em cursos de graduação e pós-graduação (lato e stricto sensu) no Brasil, relacionados à área da Computação (Ciência da Computação, Sistemas de Informação, Engenharia de Computação, Sistemas e Mídias Digitais, Análise e Desenvolvimento de Software, Jogos Digitais, Licenciatura em Computação, Redes de Computadores) e demais áreas afins.

O projeto será realizado a partir do investimento da DELL COMPUTADORES DO BRASIL LTDA – DELL, portanto, os cursos serão ofertados gratuitamente, sem ônus para a população brasileira.

01. DOS CURSOS DISPONÍVEIS

Os cursos serão realizados completamente on-line, por meio da plataforma Dell Accessible Learning (DAL), disponível através do portal Lead (leadfortaleza.com.br/dal) ou pelo aplicativo nas versões Android e iOS, “Aprendizado Acessível – Lead” (ver exceções no item 02.b). A metodologia de ensino prevê horários de estudo flexíveis e acompanhamento por tutores a distância (exclusivamente para pessoas com deficiência). Ao se inscrever, o candidato deverá escolher apenas 1 (uma) opção de Curso.

Lembrando que o(a) cursista que já tem cadastro na plataforma não precisa fazer o pré-cadastro novamente. Dentro da plataforma o(a) cursista clica na opção “Seleções Abertas” e inscreve-se no curso de seu interesse. Segue o link da plataforma para acessar com seu usuário e senha https://leadfortaleza.com.br/ead/login.

Os alunos deverão ter meios próprios para utilizar a plataforma on-line, de acordo com os requisitos do item 02 deste Edital.

Para as pessoas com deficiência auditiva e surdos usuários da Língua Brasileira de Sinais (Libras), a plataforma virtual dispõe de acompanhamento de intérpretes de Libras. Há também outros recursos de acessibilidade disponíveis na plataforma e nos conteúdos, como: alertas sonoros, comando de voz, teclado virtual, redimensionamento de fonte, alto contraste, audiodescrição de imagens e vídeos em Libras.

É importante saber que nos conteúdos na área de desenvolvimento de software, são citados softwares de mercado, cuja acessibilidade é de inteira responsabilidade de seus terceiros. Isso quer dizer que, o LEAD não garante acessibilidade desses programas.

As ementas detalhadas dos cursos ofertados estão disponíveis no link do portal Lead (https://leadfortaleza.com.br/dal).

Os certificados para os candidatos aprovados serão emitidos no prazo máximo de até 60 dias úteis após o encerramento do curso e disponibilizados na plataforma para download.

Autismo Cartoon promove congresso com Autistas e ativistas da causa

Entre os dias 15 e 16 de maio ocorrerá o I Congresso de Autistas e ativistas da causa. O evento será online através da plataforma Zoom das 8h às 19h e a inscrição pode ser feita pelo WhatsApp (054 9 8163-3085). Desenvolvido pelo projeto Autismo Cartoon, um trabalho beneficente desenvolvido nas redes sociais e escolas da cidade de Passo Fundo no Rio Grande do Sul. Conheça aqui a história do Autismo Cartoon.

O objetivo do congresso é trazer abordagens e perspectivas no Autismo e conta com o apoio da Fátima de Kwant, escritora e editora da página de (Marcos Mion) e Paiva diretor e editor-chefe da Revista Autismo. Além deles, estão juntos no Congresso Instituto Suassuna, Revista Autismo, Projeto Autismo na Escola, Autistólogos Neuropsicolux Drª Luciana Xavier,  Dr. Thiago Gusmão, Projeto legalmente Autista, Dra.Deborah kerches,Terapia de mães, Autismo na Escola.

Segundo a organizadora Emanuele Souza Silva “é gratificante mostrar esse projeto que aos poucos estou desenvolvendo e sendo conhecido a nível de Brasil falando sobre Autismo para uma conscientização de suas peculiaridades. O Autismo Cartoon busca na sua essência, trazer temas importantes para os autistas e sociedade”. Conta.

Confira a programação:

Larissa Lafaiete e Maria Júlia Varela  com o tema: Bullying

Jackson Marçal: hiperfoco no Autismo.

Fernanda Beatriz Ataíde: Esporte no Autismo.

Maria Cristina Machado: Experiência com seu filho moderado na apraxia da fala.

Tio Faso: do quase suicídio ao diagnóstico tardio.

Dr. Antônio Augusto Netto: Direitos dos Autistas.

Alexandre Sales: As necessidades do pai ficar ao lado da família.

Doutora Anita Brito: Ciências estudos recentes do TEA.

Nicolas Brito: Como foi não ser verbal até os 12 anos. (Hoje escritor, palestrante e fotógrafo)

Sara Rocha: Violência e abuso de estresse pós-traumático da mulher autista.

Nickole Hernandes:(Nick) Ingresso no Ensino superior

  Guilherme Nappy: A vida de um Autista adulto antes e depois do diagnóstico

 Pedro Melim: Dupla excepcionalidade.

Marcos Petry: um Autista supera seus limites.

Bianca Galvão Autismo feminino.

Kaká da Autistologos.

Lei de Cotas em risco: PL 1.052/20

Foto do senador Vanderlan Cardoso, homem branco, com cabelos curtos e escuros. Veste paletó e gravata de cores pretas, camisa branca, está sorrindo. Crédito: Divulgação.

Mais uma vez a Lei de Cotas (Lei n° 8.213/1991) está em risco. O PL 1.052/20 do senador Vanderlan Cardoso (PSD) quer permitir a contratação dos pais de menores com deficiência, a medida também vale para responsáveis legais, quando não houver no município pessoas com deficiência habilitadas para a função.

A proposta está na agenda do Senado e pode ir à votação nesta terça-feira (27). E pode dificultar ainda mais o acesso da pessoa com deficiência ao mercado de trabalho.

Essa proposta vai contra a inclusão da população com deficiência no mercado de trabalho, viola a Convenção da ONU sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e a Lei Brasileira de Inclusão. Além disso, já parte de uma premissa errônea e discriminatória, pois não considera que existem, em todas as cidades do Brasil, pessoas com deficiência capacitadas para trabalhar.

Definir se uma pessoa com deficiência é “habilitada” ao trabalho ou não é algo muito subjetivo. Quem será capaz de dizer que uma pessoa está apta ou inapta ao trabalho? O empregador que busca se desobrigar da contratação e da necessidade de garantir um ambiente de trabalho plenamente acessível? O poder público, e assim violar o direito subjetivo da pessoa com deficiência a um trabalho digno e decente e de sua livre escolha?

No entanto, não é a primeira vez que ações governamentais atacam a Lei de Cotas. Em 2019, o PL n° 6159 enviado para a Câmara através do Ministério da Economia também propunha uma série de mudanças na Lei que prejudicavam o acesso da pessoa com deficiência ao mercado de trabalho. Após pressão dos movimentos das pessoas com deficiência o mesmo foi “congelado” pelo então presidente da Câmara, o deputado Rodrigo Maia (Democratas).

Projeto de Lei do Governo Bolsonaro afeta o acesso ao trabalho para pessoas com deficiência

As dúvidas que ficam são “por que há tanto esforço em mudar a Lei de Cotas? A quem isso interessa? E o trabalho dos parlamentares é defender interesses pessoais ou coletivos da população?”

O PL n° 6159/2019 fere de morte essa política pública de inclusão por meio do trabalho”, alerta Giguer

O que não podemos esquecer é que em 2022 teremos uma nova oportunidade de mudança, não esqueça disso!

Roberto Carlos e a espetacularização da deficiência

Ontem (19) o cantor Roberto Carlos completou 80 anos. Um dos nomes mais importantes da história da música, por isso, considerado rei por alguns que devem entender de música.

Como eu não entendo, prefiro falar de um tema que eu conheça. O 80º aniversário de Roberto Carlos, trouxe à tona uma questão considerada por muitos nebulosa, o fato de Roberto ter uma deficiência.

Já abordei isso lá na Deficiência em Foco no quadro “Vc Sabia”, mas não me aprofundei pelo fato de que há poucas informações sobre a razão da sua deficiência. O que sabemos é que ele sofreu um acidente na infância que ocasionou a amputação de parte de sua perna direita.

Mas a questão trazida agora é “Por que Roberto Carlos não fala da sua deficiência?” apesar das polêmicas a explicação é muito simples: Porque ele não quer!

Sim, talvez você esperasse esta resposta, mas ela é absolutamente comum e compreensível. Assim como eu falo da minha e de outras deficiências boa parte do meu dia, ele tem direito de não falar nada e se preservar.

Pode haver traumas, medo, vergonha… Pode! Mas não somos nós que vamos julga-lo por isso. Essa espetacularização da deficiência feita por muitos nas redes sociais, em nada contribui para a inclusão, ao contrário, apenas atrapalha.

O primeiro passo para incluir é respeitar. E quem questiona e até cobra o Roberto Carlos para falar da sua deficiência não está respeitando a sua escolha pelo silêncio. E com certeza, não está incluindo.

Se você quer de fato falar de inclusão, respeite as opiniões diferentes, respeite o direito ao silêncio assim como muitos respeitam a sua voz! Forçando alguém a falar sobre algum assunto que não deseja, você não está trabalhando pela inclusão, você está apenas sendo mais um capacitista que não respeita a diversidade de pensamento.

Havan é condenada por assédio moral a empregado com deficiência intelectual

A 5ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho condenou a Havan a pagar indenização de R$ 100 mil a um empregado com deficiência intelectual por assédio moral. As ofensas, baseadas na sua condição de saúde, eram praticadas por seguranças de uma loja da rede em Florianópolis (SC). Por maioria, o colegiado entendeu que o valor, superior ao de outras situações de assédio moral, é justo em razão da gravidade do caso.  

O empregado trabalhou na Havan de 2002 a 2014. Contratado na cota de pessoas com deficiência como carregador de carrinhos, ele disse que também limpava banheiros, descarregava produtos e capinava o jardim nos arredores da loja. Na reclamação trabalhista, relatou que era alvo constante de agressões verbais e psicológicas da equipe de segurança e pediu a rescisão indireta do contrato de trabalho por falta grave do empregador e indenização por danos morais.

O juízo da 2ª Vara do Trabalho de Florianópolis deferiu a rescisão indireta e condenou a empresa ao pagamento de R$ 500 mil. A decisão foi baseada em depoimento de uma segurança, cujo conteúdo não foi superado pela defesa da empresa.

Conforme seu relato, dois seguranças chamavam-no de “maluco e retardado”, focavam nele nas filmagens com as câmeras de monitoramento para fazer zombarias e utilizavam aparelhos de comunicação (walkie talkie) em volume alto, para que o chefe, os demais seguranças e o próprio carregador escutassem as agressões. Consequentemente, ele era visto nos cantos da loja chorando de cabeça baixa. 

Segundo a testemunha, o chefe da segurança consentia com as agressões e obrigava o empregado a buscar carrinhos no estacionamento durante fortes chuvas, sem que houvesse necessidade. Ela ainda ouviu o chefe dizer para ela limpar uma sala para se acalmar e disse que a zombaria era comunicada a novos empregados também.

O Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região (SC) manteve a rescisão e o reconhecimento do assédio moral, mas reduziu a indenização para R$ 100 mil, levando em conta valores arbitrados em casos análogos e o último salário da vítima, de R$ 1.015.

O relator do recurso de revista da Havan, ministro Breno Medeiros, votou pela redução da indenização para R$ 20 mil, com base em valores deferidos pelo TST em outros casos de assédio moral. Prevaleceu, no entanto, a divergência apresentada pelo ministro Douglas Alencar pela rejeição do recurso. Ele explicou que a intervenção do TST para alterar o valor arbitrado a título de dano moral só é pertinente nas hipóteses em que o montante é visivelmente ínfimo ou, por outro lado, bastante elevado.

Ele chamou a atenção para a condição do empregado e para a forma como foi praticado o assédio moral. Trata-se, a seu ver, de um caso diferenciado, que possibilita a análise do problema da discriminação sofrida pelas pessoas com deficiência no mercado de trabalho. “No caso presente, o trabalhador foi tratado como um verdadeiro tolo”, afirmou. 

O ministro lembrou que há decisões do TST que estabeleceram montantes inferiores para as hipóteses de assédio moral em que o trabalhador é submetido a tratamentos vexatórios e humilhantes. Todavia, no caso, ele considerou as particularidades do caso e o objetivo da condenação de induzir a empresa a adotar políticas internas de não discriminação “contra quem quer que seja, em especial, quando o trabalhador tem deficiência intelectual”, concluiu.

Fonte: Conjur

Crie seu site com o WordPress.com
Comece agora